Vendedores reclamam do atraso na reabilitação do mercado de Terra Branca

Com o aproximar das chuvas, a apreensão aumenta. A edilidade reconhece o problema mas assegura que tudo estará resolvido em breve.

Os comerciantes do mercado da Terra Banca e arredores desse bairro da cidade da Praia estão preocupados com os atrasos nos trabalhos de reabilitação dessa infraestrutura municipal, anuncia o jornal A Nação.

Segundo o mesmo semanário, de 45 dias, os trabalhos de reabilitação do mercado de Terra Branca já vão em quatro meses. Uma das causas desse atraso prende-se com a paralisação das obras há dois meses por causa de um conflito entre a Câmara Municipal da Praia (CMP) e Antonina Correia, 64 anos, moradora no local relativamente a uma parcela de terreno nas imediações do referido mercado.

Aqui, para a concretização da obra, foram demolidos alguns anexos propriedade dessa munícipe que exige ser compensada.

Quem já se mostra agastado com o arrastar das obras são os vendedores do antigo mercado e que agora estão dispersos na zona de Terra Branca. Com o aproximar das chuvas, dizem que não vão ficar sem onde exercer a sua actividade.

Em declarações ao jornal A Nação, Isaac Traore, um sapateiro do Mali, há oito anos no mercado de Terra Branca, conta que ele e outros colegas estão há quatro meses na rua a exercer as suas atividades.

Este vendedor reclama que “as obras ainda estão pela metade e o pior é que o trabalho está paralisado há dois meses e não há uma data fixa para a sua conclusão”.

O vereador das infraestruturas da Praia, Alberto Melo, explica que o mercado de Terra Branca terá 32 módulos de venda e dois sectores para comércio de carne e peixe.

“É uma área considerável que vai albergar algum número de pessoas que vendem no arredor do mercado. Tivemos um imprevisto, mas a situação está resolvida e os trabalhos serão retomados brevemente", explica.

Entretanto, Alberto Melo faz saber que se tudo correr pelo melhor, o mercado da Terra Branca será concluído no prazo de um mês, ainda no decorrer da época das chuvas.

Até lá, quem deve ficar aliviado com a nova situação serão os vendedores, moradores e transeuntes da Terra Branca, uma vez que muitos dos vendedores estão a ocupar os passeios que dão acesso às casas, criando constrangimentos entre os peões e automobilistas, uma vez que a zona da rotunda da Terra Branca é muito movimentada.

© www.anmcv.com - 2010
Dom DigitalProduzido por Dom Digital.
Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.