SANTIAGO: CÂMARA DA RIBEIRA GRANDE CRIA PROJETO BANCO SOCIAL PARA EMPODERAR FAMÍLIAS E DINAMIZAR

 

 

A Câmara Municipal da Ribeira Grande de Santiago criou o projeto “Banco Social” que visa “melhorar o nível de vida das famílias, combater o assistencialismo e promover a economia local”, informou, ontem, 25, o presidente Manuel de Pina.

 

Segundo o autarca, a Câmara Municipal de Ribeira Grande pretende com o Banco Social, o “principal projeto” da sua autarquia, apoiar as famílias na implementação de seus projetos que contribuam para o desenvolvimento local e o sustento das mesmas.

“Vamos orientar as famílias para desenvolverem os seus projetos e beber dessas fontes de financiamento que existem, ver qual é seu potencial e ajudar-lhes a desenvolver uma atividade económica que garanta o sustento familiar, isso passa por satisfazer as necessidades básicas como a educação e habitação”, declarou.

Disse, no entanto, que pelo facto de a “indústria ser uma área sensível”  o seu desenvolvimento depende de toda a atividade económica local, daí a necessidade de criar projetos que promovam  e impulsionam os sectores industriais na Cidade Velha.

“Todos esses sectores estão a ser trabalhados com as famílias no âmbito do nosso programa Banco Social que vai ser implementado brevemente no nosso município”, disse.

Conforme explicou, já foi criado um departamento na autarquia que irá trabalhar diretamente com as famílias, afirmando, que para a execução do mesmo será realizado nos próximos tempos o levantamento do cadastro social único, no município de Ribeira Grande.

“Toda a família será cadastrada para vermos a concessão das mesmas e a partir daí trabalhar com a força que cada família tem”, disse, ressalvando, por outro lado, que o Banco Social irá “elevar a autoestima” da população e promover “mais cidadania e qualidade de vida”.

Questionado em quanto está orçado projeto, o autarca avançou que todos os recursos mobilizados no concelho serão canalizados ao projeto Banco Social que, conforme explicou, “trabalha numa dimensão da procura daquilo que o mercado oferece”.

“Por exemplo há o programa de mitigação do mau ano agrícola, todos os recursos estão a ser canalizados para o projeto do referido banco e vamos harmonizar aquilo que o país oferece empoderando e orientando para o mercado fornecedor e ajudar o município a estruturar em termos económico e financeiro”, concluiu.

 

FONTE: SAPONOTÍCIAS

 

© www.anmcv.com - 2010
Dom DigitalProduzido por Dom Digital.
Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.