SÃO VICENTE: AUGUSTO NEVES DIZ QUE VAI PEDIR AO GOVERNO PARA RESTRINGIR A IMPORTAÇÃO DE PLÁSTICO

 

 

O presidente da Câmara Municipal de São Vicente afirmou hoje, no Mindelo, que vai apelar ao Governo para restringir a importação do plástico, pois este é um “problema grave” que afecta a ilha.

 

No Dia Mundial do Ambiente, que se celebra hoje, Augusto Neves discursou no acto de apresentação pública de dois camiões compactadores de recolha de resíduos sólidos e do novo fardamento do pessoal de limpeza, saneamento e ambiente da câmara.

O autarca considerou, na ocasião, que a medida de restrição de importação de plástico, se for avante, vai “ajudar a câmara bastante” a manter um ambiente saudável.

“A grande mensagem que desejo passar hoje é que a luta por um ambiente melhor é de todos e que o mais importante do que limpar é não sujar”, lançou Augusto Neves, precisando que a “grande missão” é preservar a cidade limpa e saudável.

O autarca anunciou que para além do fardamento e dos dois camiões de recolha de lixo, financiados pelos fundos do Ambiente e do Turismo, estão a caminho mais seis camiões idênticos e uma viatura de desobstrução de esgoto.

“As críticas são sempre muito positivas, mas para além de criticar há que trabalhar também, arregaçar as mangas, porque São Vicente tem condições de desenvolvimento, de muita prosperidade”, considerou o edil, que anunciou “para breve” o arranque de “muitos investimentos” na ilha, como  a estrada e a requalificação  da Baía das Gatas, o terminal de cruzeiro e a asfaltamento de toda a cidade do Mindelo.

“Se queremos oferecer um turismo de qualidade, se queremos melhorar a economia, trazer mais emprego isso deve começar por cada um fazer aquilo que lhe compete como cidadão”, concluiu o presidente da câmara.

A vereadora do Ambiente da autarquia, Carla Monteiro, por seu lado, apelou para a “boa conservação” dos equipamentos colectivos e de protecção individual e anunciou que a autarquia tem em carteira uma formação em higiene e segurança no trabalho dirigida ao pessoal que lida com a limpeza pública da ilha.

A câmara, finalizou a vereadora, está ciente de que a caminhada para se atingir a meta desejada em matéria ambiental “é longa”, mas que já está a preparar-se para novas etapas, como a recolha selectiva dos resíduos sólidos urbanos e a criação de infra-estruturas adequadas para “valorização e destino” dos resíduos, ou seja, aterro sanitário.

 

FONTE: SAPONOTÍCIAS

 

© www.anmcv.com - 2010
Dom DigitalProduzido por Dom Digital.
Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.