Cultura 

Santa Catarina é um concelho que a cultura sempre esteve presente em vários momentos da sua existência, manifestando-se em várias formas, desde a música, o teatro, a tabanca, na dança, no artesanato, na gastronomia e em várias outras manifestações culturais.

Cultura aqui e em todo Cabo Verde muitas vezes é considerado aquele que menos recebe do orçamento e atenção do governo e consequentemente em todos os concelhos de Cabo Verde, uma questão que dizem respeita, também, à Santa Catarina.

Santa Catarina é um concelho com grande riqueza e diversidade culturais. Os hábitos e costumes da sua população estão bem patentes nas festas tradicionais, nas tradições de produção vária: de olaria, de cestaria, de esteira, de tecelagem; na sua própria tradição agrícola, especialmente no domínio da fabricação do "grogue"; nos seus atrativos gastronómicos; no seu passado histórico, ilustrado pelas revoltas ocorridas em Ribeirão Manuel e Engenhos, de entre outros aspetos culturais. Todos constituindo atrativos interessantes para o desenvolvimento de mercado de turismo cultural no concelho.

Aliás, o concelho constitui um «laboratório cultural» segundo os especialistas. Importa contudo, que sejam tomadas medidas para a preservação, recuperação e valorização do património histórico e cultural a fim de atrair visitantes.

A cultura santa-catarinense na sua riqueza e diversidade, se for explorada como potencialidade turística e preservada, pode contribuir e muito para o desenvolvimento do turismo no Concelho de Santa Catarina. Dada a variedade de aspetos culturais do concelho, apenas se refere de seguida, ainda que de forma superficial, alguns dos seus aspetos mais marcantes: comemoram-se no concelho várias festas tradicionais em devoção a vários santos consagrados pela religião dominante, a Igreja Católica Apostólica Romana. Qualquer dessas festas tem o poder de atrair pessoas de vários pontos da ilha de Santiago, para não falar dos santa-catarinenses que vivem na diáspora.

A mais importante de todas as festas tradicionais é assinalada a 25 de Novembro e é dedicada a Santa Catarina, a padroeira do concelho. A festa é rija em todos os cantos do concelho mas é na cidade de Assomada que tem maior notoriedade. Nessa altura regressam muitos emigrantes, trazendo mais brilho às comemorações.

Pela importância que detêm no contexto cultural do concelho, as datas de comemoração dalgumas destas festas, podem muito bem servir de elemento de atracão turística se forem divulgadas a nível da comunicação social, das agências de viagem e operadores turísticos nacionais e estrangeiros através de meios de informação como brochuras e desdobráveis com informações pertinentes e completas. 

Santa Catarina é um concelho de profundas tradições africanas. Desde os grupos de Batuque, ao profundo dialeto Crioulo, passando pelos frequentes desfiles de Tabanca, e os trajes tradicionais ainda usados por muitos Santa-Catarinenses, nuances do continente africano podem ainda ser encontrados em cada canto do Concelho. Se se quiser passar por uma verdadeira experiência cultural, assista-se a uma das muitas festas municipais, passe-se uma tarde visitando uma pequena povoação, ou jante-se e passe-se a noite numa casa rural cujos residentes normalmente apreciam sobremaneira acolher visitantes por módico preço. 

Atrativos Culturais Materiais 

Miradouro Cruz de picos

Esta infra-estrutura está localizada logo à entrada da cidade de Assomada, sobre o vale de Fonte Lima, cujo elemento de destaque é uma grande Cruz, que assinala a entrada da cidade.

Possui uma forma circular exatamente para que o visitante tenha uma ampla bacia visual e vista panorâmica, permitindo contemplar toda a cidade de Assomada, Vale de Fonte Lima, Ribeira dos Engenhos e as mais salientes formas de relevo do Município, e por último, a vista parcial do vulcão do Fogo. 

O espaço é utilizado pelos munícipes, quer no período de manhã, quer à tarde para atividades físicas, pois, a sua localização permite ao visitante beneficiar de uma temperatura amena influenciada pela brisa do vale, mas também pelo efeito marcante da altitude na diminuição de temperatura.

A cidade de Assomada e seu Centro Histórico

A cidade de Assomada é um núcleo urbano que evoluiu de uma antiga vila (fundada em 1912), localizada sobre um planalto de aproximadamente 500 metros de altitude a noroeste da ilha de Santiago, quando se fez a transferência da sede do concelho de Santa Catarina de Tarrafal para este planalto. 

As cidades sempre foram centros de grandes atrações, motivando correntes turísticas culturais, devido aos valores patrimoniais dos conjuntos arquitetónicos, as visitas recreativas a monumentos, igrejas, museus, exposições, vida cultural e atmosfera da cidade. 

Igualmente, os aspetos recreativos como fazer compras, assistir entretenimentos, saborear gastronomias, assistir festivais, manifestações noturnas, juntam-se para tornar as cidades como atrações muito compósitas e nichos apropriados para o turismo cultural. 

A cidade de Assomada na sua malha urbana possui elementos patrimoniais materiais e imateriais, o que leva esta urbe a ser um atrativo por excelência.

Praça Gustavo Monteiro

Tem a forma retangular e localiza-se em pleno Centro Histórico mesmo em frente do edifício camarário e no seu lateral está a Igreja Nossa Senhora de Fátima, Centro da Juventude e Centro Cultural Norberto Tavares, ambos edifícios com elevados valores patrimoniais, históricos e arquitetónicos. 

Trata-se de um atrativo de fácil acesso, pois, a sua forma retangular faz com que seja atravessado por ruas paralelas e perpendiculares, garantindo a segurança dos peões que queiram usufruir da mesma. 

Nesta praça estão os elementos decorativos, tais como dois bustos/estátuas de Amílcar Cabral e Pe. Luís Allaz, jardins, assentos, o que a torna um atrativo com algum simbolismo e potencialidade para lazer e recreio. 

   

Busto do padre louis Allaz e de Amílcar Cabral

Trata-se de dois monumentos que testemunham duas figuras de destaque para o desenvolvimento de Santa Catarina e de Cabo Verde. 

O Simbolismo que carregam, tanto no campo religioso, bem como na história de libertação nacional valorizam a paisagem cultural da praça onde se localizam: a praça Gustavo Monteiro.

Por exemplo, o Padre Louis Allaz é uma importante personalidade na história da igreja católica em Cabo Verde ao contribuir para a dinamização do catolicismo local, bem como na educação de jovens no concelho ao fundar uma escola paroquial, com destaque para o desenvolvimento inteletual feminino.

 

O Busto de Amílcar Cabral representa a memória de uma personalidade histórica internacional, com forte simbolismo e peso na história cabo-verdiana, sobretudo, quando associada à história da luta de libertação nacional.

Centro Cultural Norberto Tavares

Trata de um antigo edifício da Fazenda e repartição dos Correios, atualmente Centro Cultural Norberto Tavares, situado em pleno centro histórico, em frente à Rua Gustavo Monteiro. Está bem conservado e constitui um ponto de visita para os nacionais e estrangeiros.

  

Mercado Municipal Antigo

O Mercado Municipal de Assomada é um espaço comercial de tradição antiga, localiza-se na extensão da rua que passa à frente do Museu Cultural Norberto Tavares, denominada de Avenida Gustavo Monteiro. 

É um dos mercados mais antigos da cidade, inaugurado em 1931, após do desmantelamento de outro ainda mais antigo sito na localidade de Cutelo, onde funciona atual talho municipal. Hoje constitui um espaço comercial, onde se possa encontrar variedades produtos agrícolas, testemunhando as potencialidades do concelho para agricultura.

 

 Mercado novo Municipal

Localizado na Zona de Achada Riba, fora da zona histórica da cidade foi inaugurado recentemente, após 2010. Apresenta caraterísticas arquitetónicas modernas, funcionando como um espaço multiuso, pelo que ao contrário do mercado antigo, o visitante pode adquir roupas, calçados, carnes e pescados.

Edifícios da Câmara Municipal

Situado em pleno centro histórico da cidade de Assomada, em frente à Praça Gustavo Monteiro. 

O edifício singulariza-se pela sua arquitetura e harmoniza-se com os outros na sua redondeza: antiga Escola Grande à Sul, Enfermaria e a Igreja Nossa S. Fátima à Oeste, Museu Norberto Tavares à Este.

Antiga Escola Grande, atualmente Biblioteca Municipal

Localizada no centro histórico da cidade é um património arquitetónico, com caraterísticas marcadamente coloniais, sendo que na parte traseira vê-se os beirais cobrindo as duas varandas e escadas de acesso.

      

Antiga Enfermaria, atual Centro de Saúde

É um edifício com valor patrimonial, localizado no centro histórico da cidade, construído antes da Independência Nacional (1948), pelo Governador João de Figueiredo para Enfermaria Regional e, atualmente desempenha as funções da saúde. 

O que mais o marca como um atrativo é o seu traçado arquitetónico colonial e sua harmonia com outros elementos da paisagem histórica da cidade.

 

Casa lubrano

Situado em pleno centro histórico é um edifício com várias portas grandes na parte dianteira, típicas das casas utilizadas para atividades comerciais no passado. 

As várias portas facilitavam de certo modo a circulação dos fregueses, que podiam chegar simultaneamente em grandes números. 

Hoje, o edifício alberga o comércio, apesar de seu valor patrimonial e a sua localização estratégica são aspetos importantes.

“Quintalona”, atual Museu de Tabanca

Localiza no vale de Chã de Tanque, a Oeste da cidade de Assomada, aproximadamente a 5 km de distância. 

O edifício está em bom estado de conservação, é visitado por nacionais e estrangeiros, pois, é atravessada pela estrada municipal que liga a cidade de Assomada a povoação de Rincão.

O que mais atrai o visitante no edifício é a sua “grandiosidade” e os traços da sua arquitetura da época em que foi construída, que se distingue das modernas.

Casa dos pais de Amílcar Cabral

Localizada na Zona de Achada Falcão, um pouco a Norte da cidade de Assomada. É um edifício singular, quer pela sua arquitetura da época colonial, quer pelo seu valor histórico, associado à memória do líder da libertação nacional que ali passou parte da sua infância. 

Atualmente, é usado como alojamento de uma família, apesar da iniciativa do Instituto de Investigação e Património Cultural em reabilitá-la e transformar no “Museu dos Combatentes”. 

Estas e outras caraterísticas fazem dele um património cultural, logo um atrativo que deve integrar no roteiro turístico cultural nacional, apesar de necessitar de restauro.

Casa Grande da família nhô Germano

Este edifício situa-se ao norte da cidade de Assomada, mais concretamente, em Achada Falcão, em frente à Igreja Nha Santa Catarina. 

A designação “Casa Grande” está sempre associada aos antigos ricos proprietários agrícolas em Santa Catarina, cuja posse de grandes extensões de terras constitui um estatuto identitário, pelo que esta moradia também não está isenta.

Os seus traços arquitetónicos típicos da época colonial constituem singularidades no meio em que se encontra, onde há construções modernas, pelo que é ali que reside seu valor turístico, que pode ser complementado com o conhecimento da história dos familiares a que pertenceram.

Casa Grande no Telhal dos Engenhos (Casa nhô Ruba)

Localiza-se nos Engenhos, a Oeste da Cidade de Assomada, uma dos mais férteis vales do concelho. 

Este edifício é um dos mais antigos do concelho de Santa Catarina. Assim como as outras casas senhorias espalhadas pelo mundo rural no concelho, o que marca esse edifício é também a sua grandiosidade e os traços arquitetónicos tipicamente colonial, num vale que cujas habitações são diariamente modernizadas como reflexo de muita emigração. 

O edifício apresenta também potencialidade para ser transformado em produto turístico comerciável, sobretudo se for reabilitada, dando lhe a função de pausada.

Casa Grande de luísa, atual Espaço Jovem de Cruz Grande

Trata-se de uma antiga residência de uma das mais ricas proprietárias da Zona de Achada Falcão, situada em Cruz Grande, ao Norte da cidade de Assomada. 

Segundo informação, a quando das antigas Revoltas em Ribeirão Manuel este espaço serviu de presídio para aqueles que tinham participado.

Este edifício é um dos patrimónios rurais por excelência, pois preserva os traços da arquitetura portuguesa, bem como a memória às antigas “Casas Grandes” no território ultramarino.

Igreja de nossa Senhora de Fátima

Este monumento religioso localiza-se em pleno centro histórico da cidade de Assomada e tem a sua frente o edifício da Câmara e a Praça Gustavo Monteiro. Trata de uma construção antiga da época colonial mandada erigir entre 1947 a 1949, sendo nesse último ocorreu a sua inauguração. 

Os seus traços arquitetónicos são marcantes, e vendo para sua fisionomia atual a partir da vista de cima, destacam-se, sobretudo as duas torres, uma na parte dianteira, ou no lado traseiro. 

É um espaço de culto de referência dos citadinos e muito tem contribuído para manutenção da fé no local, onde se encontra em bom estado de conservação. Nela realizam-se as atividades.

Igreja de nha Santa Catarina

É um monumento religioso situada em Cruz de Cima, na cabeceira da Ribeira de Boa-Entrada, podendo ali chegar à pé ou de carro. Apresenta traços arquitetónico da época colonial, construída no século XIX. 

Dados apontam que foi a primeira paróquia localizada no concelho e ali se festeja Nha Santa Catarina a 25 de Novembro, Santo padroeiro do concelho. 

A sua arquitetura e a comemoração do Santo Padroeiro constituem atrativos que motivam os visitantes nacionais e internacionais, logo um potencial para turismo cultural e religioso.

Capela de Santa Terezinha

É um património religioso situado a noroeste da Cidade de Assomada, mais concretamente em Ribeirão Manuel. 

O edifício apresenta os traços de uma arquitetura simples e moderna, se comparada com os outros estabelecimentos religiosos no município. 

Neste espaço comemora-se a festa de Santa Terezinha, no dia 01 de Outubro.

Destaca-se pela sua localização, pois estando junto ao atrativo dois elementos singulares, onde se possa observar: um memorial símbolo da Revolta de “Rubom Manel” que aconteceu em Outubro de 1910 e o majestoso Monte Brianda, que simboliza a defesa da Cidade.

 

Capela de Santa Ana

Um monumento religioso de simples traços arquitetónicos, localizados em Achada Lém a poucos metros da Estrada Nacional da primeira classe (EN1), que liga o concelho ao Norte da Ilha de Santiago. 

Capela de nossa Senhora de Lurdes

É um monumento religioso de traços arquitetónicos simples situado a nordeste de Santa Catarina, em Figueira das Naus. É de fácil acesso e encontra-se em bom estado de conservação. 

Nela se festeja Nossa Senhora de Lurdes no dia 11 de Fevereiro, missa rezada pelo Bispo da Diocese de Santiago, um natural da zona, atualmente promovido ao cargo de Cardeal pela Santa Sé.

O simbolismo religioso, a paisagem natural e mais outros elementos juntam para se formar uma paisagem cultural atrativa de que a capela faz parte.  

 Capela de nossa Senhora da Graça

Situada no vale de Chã de Tanque, a oeste da cidade de Assomada é um monumento religioso de pequena dimensão física, de fácil acesso, com uma arquitetura única, mas com grande dimensão espiritual se associar ao simbolismo religioso ao Santo associado: Nossa Senhora da Graça.

A paisagem natural onde se localiza os traços culturais locais (tabanca), a existência de um museu, a morabeza da população somados aos traços arquitetónicos desse monumento criam um a paisagem cultural típica da zona, pelo que deve ser integrado no roteiro cultural.

Capela de Santo André

É um património histórico de caráter religioso, localizado a sudoeste da cidade de Assomada, no vale dos Engenhos. Trata-se um edifício antigo, bem conservado e com caraterísticas às outras capelas da época.

A sua singularidade está associada ao simbolismo religioso: a comemoração do Santo André no dia 30 de Novembro, marcada pela missa e outras atividades religiosa.

Monumento Revolta Ribeirão Manuel

É um monumento cultural localizado a norte de Assomada, em Ribeirão Manuel, a oeste de Achada Falcão.

O monumento arrasta consigo a memória, isto é, foi erigido em homenagem aos rendeiros que recusaram pagar rendas dos terrenos, o que originou alguns tumultos com as autoridades da época. Assim, é símbolo da resistência dos rendeiros e dos escravos que aconteceu em 1910. 

Este monumento tem grande capacidade para atrair turistas, pela memória que preserva e, por si só, a partir de um guia podem ser transformados numa oferta turística cultural.

Artesanato, Centros de produções e Exposições

As artes sempre se têm despertado interesse dos indivíduos, quer sejam nacionais ou internacionais, dependendo, sobretudo da perceção cultural dos mesmos. 

Os processos produtivos, a extração e matérias-primas e o objetos resultantes em mercadorias somam para se transformarem em recursos turísticos pelo poder atrativo que desencadeiam. 

Olaria de Fonte lima e de Achada Galego

Esta atividade realiza em Fonte Lima, um Vale situado a oeste da cidade de Assomada e zona de Achada Galego, respetivamente. Trata-se de uma arte antiga no concelho, em que produzem diversos objetos: Bindes, potes, vasos, entre outros.

A atração resume-se aos objetos expostos, aos processos de produção e aos meios de produção

praça 13 de Janeiro

Situa-se para fora do Centro histórico de Assomada, mais concretamente ao lado dos correios e do Gabinete Técnico Intermunicipal, zona de Pobretãozinho, onde foi construída entre as décadas de 1990 e 2000. 

O nome “praça 13 de Janeiro” tem algum significado histórico para o país se for associada ao dia da liberdade (13 de janeiro), daí um atrativo com um valor histórico-cultural.

parque Infantil de Achada Riba

Este equipamento de lazer está localizado a poucos metros do centro histórico, próximo ao centro comercial Cálu e Ângela, a maior de Assomada.

Centro Comercial Cálu e Ângela

Situada na zona de Achada Riba, junta aos condomínios – Casas para Todos. É um edifício de arquitetura moderna, de dois pisos, sendo na parte inferior alberga a parte de minimercado e superior uma loja de eletrodoméstico e um ginásio.

Polidesportivo de nhagar

É um equipamento urbano coletivo, localizado a poucos metros do centro da cidade, na localidade de Nhagar 

Atrativos culturais Imateriais

O Batuque

Batuque - é um género performativo complexo que envolve percussão, poesia, canto e dança. O repertório é constituído por cantigas em crioulo, acompanhadas por percussão polirrítmica realizada com as mãos num idiofone formado por uma pequena almofada ou pano enrolado designado por «tchabeta», dançada de forma vigorosa e virtuosa (torno) por uma ou mais dançarinas e com menor frequência por dançarinos. O Batuque é típico da ilha de Santiago e ainda hoje a sua presença reduz-se a esta ilha. É um género que manifesta a presença africana, e retrata as convivências sociais. O batuque nasceu com o homem cabo-verdiano e apesar da tentativa do regime colonial em proibi-lo, conseguiu resistir e vem sendo praticado cada vez mais com muita força na ilha de Santiago principalmente em ocasiões comemorativas

A Tabanca

È uma forma de expressão cultural praticada nas ilhas de Santiago e do maio e reflete a origem da nossa cabo-verdianidade - a miscigenação proveniente das culturas europeia e africana. No festejo da tabanca existem vários rituais que são respeitados como é o caso da capela que é um espaço muito importante para qualquer grupo de tabanca, onde se realiza os cerimoniais «sagradas», nomeadamente o Toki de salva, o roubo do Santo e por vezes interrogatório aos ladrões, momentos importantes na festividade da Tabanca. O Toki de salva é o momento em que se efectua a comunicação com o Santo patrono do grupo, através das batidas cadenciadas nos tambores, do cerimonial das varas «sagradas» e da oração (reza cantada) etc. Esse é o momento em que se presta culto e se pede a protecção divina. Toda a sequência dá a ideia de um verdadeiro ritual africano, mas na realidade é uma «encenação» do rosário com figurações: os batimentos de tambores correspondem às Ave Marias e Glórias. Antes do ritual dos beijos, costuma-se rezar padres - nossos de oferenda ao santo padroeiro. Além do período festivo, fazem – se as salvas quando morre algum cativo da Tabanca, as quais tem lugar no sétimo dia depois do enterro». O roubo do Santo é executado pelos ladrões da Tabanca, embora o Santo encontra-se, normalmente, sob vigilância dos guardas na corte. Há um espécie de encenação entre quem vigia e quem rouba o Santo. O Santo, representado por uma bandeirinha branca com uma cruz vermelha no centro e uma vara de marmeleiro com uma fita vermelha atada numa das pontas, é vendido na casa da Rainha do agasalho ou do Rei de bandeira.

Em regra, estes últimos mantêm a compra do Santo por setes anos consecutivos. Esse ato desencadeia uma série ações e animações que dão continuidade aos festejos. Nas épocas em que não se comemora a Tabanca, guardam – se na capela todos os objetos que fazem parte do cortejo, exceto a indumentária que fica ao cuidado da pessoa que a utiliza. Os grupos de Tabanca têm, regra-geral alguma economia, designadamente terrenos que cultivam, milho, feijão e outros produtos armazenados.

 Funaná

O funaná é um género musical, surgiu no meio rural que inicialmente abarcava somente a ilha de Santiago. Esse estilo antigamente era tocado com instrumentos como gaita e ferro, animando, assim, as festas populares e religiosas. Possui um ritmo mais acelerado do que a coladeira. É um género muito próximo do continente africano que apareceu graças ao acordeão introduzido no país pelos portugueses para acompanhamento nas missas e apropriado posteriormente pelos habitantes desta ilha para as suas canções. O funaná é dançado com cadência própria e conexa ao ritmo musical.

O Teatro

Teatro é um termo de origem grega que designa simultaneamente o conjunto de peças dramáticas para apresentação em público onde é utilizada a arte de representação por um ou vários atores que apresentam uma determinada história que desperta na plateia sentimentos variados. Essa forma de manifestar em Cabo Verde é representada de acordo com a sua realidade sócio – económica. Toda a vivência e convivência do país e mais concretamente em Santa Catarina são projetadas no teatro de forma que as mensagens passam. A temática tem muito a ver com os problemas que assolam a sociedade cabo-verdiana como é o caso do uso de álcool, gravidez na adolescência, o uso de drogas, combate ao HIV- SIDA, a violência doméstica entre outras temáticas. Em Santa Catarina existem vários grupos de teatro de várias zonas do concelho que anualmente reúnem em festival de teatro para esporem as suas peças

Festas de Romarias e Folclore

O concelho de Santa Catarina preserva fortemente as tradições da cultura cabo-verdiana e da ilha de Santiago em particular. 

Estas tradições se manifestam de várias formas, tais como: música, dança, gastronomia, vestuários e festas de romarias e folclore. Sobre os dois últimos destacam-se três festas de peso: Festa de Nhâ Santa Catarina (25 de Novembro); Festa de Nossa Senhora de Fátima (13 de Maio); Festa da Tabanca (início de Maio a finais de Junho).

A primeira é uma festa de cariz religiosa celebrada a 25 de Novembro em todo o concelho, cuja Santa Padroeira é Santa Catarina, apesar do espaço de culto é na igreja do mesmo nome, sita em Cruz de Cima, na cabeceira da Ribeira da Boa-Entrada.

Nesta festa dois lados o caraterizam: o sagrado que consiste na reza da missa e procissão pelas artérias do bairro onde situa a igreja, geralmente celebrada pelo Bispo da Diocese de Santiago, reúne vários fiéis do canto do país e a diáspora cabo-verdiana; e a parte profana destaca-se a vinda dos emigrantes e organiza-se geralmente um conjunto de eventos, tais como: desportivo, musicais, feiras das artes e gastronomia. 

Os diversos eventos realizados são atrações culturais e, quando articulados com os operadores turísticos, pode gerar uma corrente turística municipal. 

De abrangência espacial menor, mas quase nos mesmos moldes (sagrado e profano), temos a festa de Nossa Senhora de Fátima, comemorada no 13 de maio, centralizada sobretudo na cidade. 

A igreja de Nossa Senhora de Fátima é o palco onde se desenrola todos os rituais religiosos, terminando com lado profano na cidade e nos arredores (Gil Bispo, Achada Galego, Furna e João Dias) .

Festas Tradicionais Municipais.  

Quadro. outras festas tradicionais municipais

 

Datas

Designações da Festa

Localidade

11 de Fevereiro

N. Sra. de Lourdes

Figueira das Naus

Fevereiro

Cinzas

Todo o Concelho

Março/ Abril

Páscoa

Varias localidades

1 de Maio

S. José Operário

Serra Malagueta

13 de Maio

N. Sra de Fátima

Assomada

31 de Maio

Imaculada Coração de Maria

Ribeira da Barca

29 de Junho

S. Pedro

Rincão

5 de Julho

Coração de Jesus

Palha Carga

26 de Julho

Santa Ana

Achada Lem

15 de Agosto

N. Sra. Da Graça

Chã de Tanque

1 de Outubro

Santa Terezinha

Ribeirão Manuel

25 de Novembro

Santa Catarina

Todo o Concelho

30 de Novembro

Santo André

Engenhos

O Concelho de Santa Catarina é, em termos demográficos, económicos e agrários, um dos mais importantes do País.

 

© www.anmcv.com - 2010
Dom DigitalProduzido por Dom Digital.
Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.